domingo, 29 de janeiro de 2012

Quero voltar no tempo!

Quando criança nem imaginava que vivia num paraíso.

Corria tanto parecia está flutuando entre as nuvens.
Como posso voar sem asas?
Mas era assim que eu me sentia.
Os dias eram compridos,e o 'Ano' era de se perder de vista.
Era tão divertida à minha vida.
Muitas brincadeiras na rua junto aos meus amigos e só isso era o meu mundo..
Tudo cheirava a liberdade, alegrias e muitas fantasias.
Era uma vida num jardim colorido.
E assim de uma maneira leve e prazerosa fui crescendo e vivendo num mundo de poesias.


Passando em branco


Muitas coisas passam sem deixar recibo...

Como posso aceitar?

Como posso aceitar...
Nem sempre entendo o que se passa,por quê?
Ah sei lá, parece mais conversa de doido.
Vem vida por inteiro, sem deixar brechas.
Como me sentir feliz?
Ah sei lá!
Você pergunta demais...

sábado, 28 de janeiro de 2012

Quando A Poesia se faz Prece

Era amor
Eu nem sabia,
Um sonho
De encontro,
Tal qual a noite
E o dia.
Era o amor
Que me ria...
E se fez ilusão
Depois,
Se fez prece
A rogar aos céus
A volta do Anjo
Que me roubou o final
Do que era
Pra ser
Poesia.

Sirlei L. Passolongo-

Mário Quintana

A arte de viver é simplesmente a arte de conviver ... simplesmente, disse eu? Mas como é difícil!

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Uma roda gigante

A vida é como uma roda gigante, está sempre girando. Às vezes podemos vir a ficar até tontos! Há dias em que acordamos e nos vemos no alto, mas como sabemos ela gira e rapidamente muda de lugar. Nesse frenesi sem cessar vamos apreciando várias paisagens... Vejo muitas cores como num arco íris, a vida se mostra deslumbrante numa sinfonia maravilhosa!!! Desejada por muitos e guardada para depois por outros, mas sempre girando.


Os ombros suportam o mundo

20090130

Os ombros suportam o mundo

Os ombros suportam o mundo

Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Como seria diferente...

Como seria diferente se eu fosse outra pessoa.
Se eu encarasse os problemas.
Se eu não sentisse tanto medo de sentir medo.

Como seria diferente...
Seria diferente ser diferente.

Se eu fosse...
Quem?

Ah! Se a vida  fosse diferente para mim!




O dia a dia e suas diferenças...

É bom saber que todos os dias temos coisas diferentes pela frente, se assim não fosse seríamos robôs programados!!! Sempre que acordo penso como será o dia.... Tenho a nítida sensação que estou perdida no tempo, fico às vezes sem saber o porquê disso. Sou uma pessoa que não se encontrou, acho que isso é normal e por que não seria? Todo sentimento é normal. Só que queria me sentir mais situada.... Como posso passar por essa vida sem apreciar o gostinho de ser independente? De ter a certeza de que eu me basto? O ser humano nasceu pra viver em sociedade, sim... E daí? Todo ser precisa ter seu próprio endereço, sua individualidade preservada, seu mundo particular! Meu mundo tem várias pessoas, várias situações, vários nomes, lugares ,cores... Mas, cadê 'Eu'? É assim que me sinto, isso realmente é muito triste e chega a ser desesperador! Será que vai ser sempre assim? A pergunta que não quer calar! Só há mudanças quando mudamos. Porém faz tanto tempo que estou nesse endereço e ele nem mesmo me pertence. Tenho medo de sair dessa linha de 'conforto', se é que existe algum conforto... O medo me encomoda muito, ele está toda hora me cutucando. É certo dizer que o 'medo' é um fator de alerta, mas tudo tem um limite... Se deixarmos que ele tome conta de nossas vidas ficaremos paralisados. Criamos paredes invísiveis, mas sabemos que se enfretarmos passaremos por elas. No entanto tem um pequeno 'detalhe': Eu não acredito que possa ultrapassá-las!E agora? O que faço? Mais perguntas que diariamente me assombram, é como um teste diário... E eu sempre sou reprovada. Repetindo, repetindo, repentindo... Sou até então uma 'aluna reprovada' nos testes da vida. Esperança, gosto desta palavra. Espero por ela, dia a dia!