sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Cecília Meireles

Aprendi com as primaveras a me deixar cortar
para poder voltar sempre inteira.


Cecília Meireles

O Amor

O amor, quando se revela, Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar pra ela, Mas não lhe sabe falar.
Quem quer dizer o que sente Não sabe o que há
de dizer. Fala: parece que mente Cala: parece
esquecer Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar, E se um olhar lhe
bastasse Para saber que a estão a amar!
Mas quem sente muito, cala Quem quer dizer
quanto sente Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!
Mas se isto puder contar-lhe O que não
lhe ouso contar, Já não terei que
falar-lhe Porque lhe estou a falar...

Fernando Pessoa

A Dor

Crescer dói...
Você pode ter as melhores instruções
do mundo e seguir uma vida tranquila,
mas você só conhecerá a tua força e a
tua sabedoria quando fores submetido a
dor, ao sofrimento. A dor é uma mestra cruel.
Ela cega, revolta, magoa, fere no mais íntimo
de teu espírito, mas se conseguires vencer a
escuridão da dor, resplandecerá em ti a luz
de uma pessoa vitoriosa, dona de uma felicidade
calma e ao mesmo tempo contagiante, típica das
pessoas que já conhecem bem este mundo.
Mas o sofrimento não acabará.
O mundo continuará tendo sua natureza fascinante,
linda, amarga e cruel.
E não faltarão forças que tentarão te
colocar de joelhos - a diferença é que
neste momento, você não cairá mais.
Você terá vencido a dor, e agora
apenas a paz e a felicidade
te esperarão.

Augusto Branco

Clarice Lispector

"Sou o que quero ser, porque possuo apenas
uma vida e nela só tenho uma chance de fazer
o que quero. Tenho felicidade o bastante para
fazê-la doce dificuldades para fazê-la forte,
Tristeza para fazê-la humana e esperança
suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não tem as
melhores coisas, elas sabem fazer o
melhor das oportunidades que aparecem
em seus caminhos."

Clarice Lispector




A vida podia ser apenas estar sentado na
relva, segurar um malmequer e não lhe arrancar
as pétalas, por serem já sabidas as respostas,
ou por serem estas de tão pouca importância,
que descobri-las não valeria a vida de uma flor.

- José Saramago -